CONTOS & LENDAS
A ARTE DE enCANTAR
na LITERATURA POPULAR PORTUGUESA

por JORAGA o acrónimo de JOsé RAbaça GAspar e outros mais de 1001 deNÓMIOS...

contacto © joraga ®

LLL in MGiacometti

CONTOS & LENDAS

Serra da Estrela

ALENTEJO
uma TEIA infindável de Contos & Lendas

 

12 - TRADIÇÃO - SERPA - Revista de 1899 - 1904

CONTOS & LENDAS

 

 

 

 

 

 


CONTOS POPULARES ALEMTEJANOS
XV - "ERA-NÃO-ERA"
Por Luiz FREDERICO
(da Tradição oral, em Odivellas do Alemtejo)
(Serpa, 31-7-901)
In Tradição I vol. Anno III, Nº 8, Serpa, Agosto de 1901, Volume III, pp. 124 e 125.

[Digitalizado por joraga (em finais de 2009), (para AA Cultural, Almada), procurando manter a grafia registada na época.]


In - comcertezamente.wordpress -

ERA-NÃO-ERA (nota)


Ao meu afilhadinho
Candido Xavier da Franca

"ERA-Não ERA andava lavrando na serra
com um boi preto e outro calhandro.
Vieram-lhe novas que o pae tinha morrido e a mãe não tinha nascido.
Foi tão grande o seu prazer que pôz os bois a uma moita e o arado a comer.
Vae por um vai'abaixo, encontra um ninho de cartaxo, com ovos de bastarda.
- Onde hei-de pôr os meus ovinhos?
Oh… debaixo da burrinha parda!
Sahiram-lhe dois galvões; e adonde haviam de ir poisar?
Numa arvore que dava avelans.
E enregou a jogar-lhe pedras e a cairem cebolas albarrans.
Foi vendel-as á villa a e fez um dinheirão.
A' volta dá com um meloal e entra a apanhar melões.
Vem de lá o dono e diz:
- Mancebo! que fazeis em faval alheio?
Atirou-lhe um melão, acertou-lhe com um torrão no artelho,
e fez-lhe sangue tão vermelho que nem uma coalhada!

Seguindo o seu caminho, chegou ás suas colmeias e não deu contados os cortiços; foi contar as abelhas… faltava-lhe uma!
N'isto ouviu resmalhar em uma moita, e julgando que fosse a abelha,
jogou-lhe com o machado.
Foi á busca do machado, mas não o encontrou.
Atiçou fogo na moita, queimou-se o machado e lá appareceu por fim o cabo.

Voltou para traz e foi á do professor, "que lhe fizesse um machado.
Vae de lá o mestre ferreiro apresentou-lhe um anzol.
Que se havia elle lembrar? Lembrou-se de ir á pesca.
Quando sente morder no anzol. Puxa a linha e trouxe…
um burro pelas orelhas, sem as ter!
Deixou o burro a comer, e foi ás colmeias outra vez.
Estava a moita feita em mel.
Tirou dois piolhos da cabeça, alvorou-os em dois coiros, e com elles carregou o burro, depois de os encher de mel.
Ora a carga era muito pesada, e o burro ficou todo ferido.

O Era-Não-Era, dizendo mal á sua vida, foi ter com o alveitar.
O alveitar ensinou-lhe que pozesse em cima da chaga favas torradas.
Vae elle, cuidando que o burro morria, pôz-lhe as favas mesmo cruas, por ser assim mais depressa, e lá o deixou no campo a pastar.

Passado um anno voltou ao campo, e viu um grande faval nascido em cima do burro.
Tratou logo de ir buscar uma foice para ceifar as suas favas;
mas quando ia começar o trabalho, viu lá dentro um porco espinho.
Jogou-lhe com a foice, e o cabo entrou-lhe pelo rabo, com licença dos senhores. Com o rabo o porco ceifava, com as patas debulhava…

e d'esta maneira o Era-Não-Era
recolheu uma grande seara.

(Da tradição oral. em Odivellas do Alemtejo.) Serpa, 31-7-901.

LUIZ FREDERICO.


in - blog.cantocidadao -

Nota: Apresento aos pequeninos leitores d'estes contos, um escriptorsinho de 11 annos, que se estreia na 'Tradição. O Era-Não-Era alemtejano, como vão vêr, tem o seu chiste particular. Eu sei d'outra variante, mais pequena e menos engraçada, que ouvi no Algarve ha muitos annos. E' assim:
"Era Não Era andava lavrando. Deu noticia que o pai era morto e a mãe por nascer, e foi tão grande o seu prazer que pôz os bois ás costas e o arado a comer. Foi por um caminho que não sabia, á busca duma capa que não tinha. Encontrou uma amoreira e pôz-se a comer avelans. Vem de lá o dono e diz: - O' seu maroto, que faz voce no faval alheio? Elle desceu ao torrão, o outro atirou-lhe á cabeça um melão, e sahiu-lhe o sangue pelos calcanhares!"
MARIA VELLEDA.

 

E-Mail: joraga@netcabo.pt e joraga@netc.pt
pelo telefone 212553223 ou pelos Telmv. 919777714 e 91 763 25 24
e pelo CORREIO: Avenida Amélia Rey Colaço, 5, r/c Esqº - 2855-500 CORROIOS.
visite ainda a minha TEIA na REDE além de joroga.net - joraga/alice/osrabaca/serradaesrela/gilvicente/cart2326/

Compatível com IE/Netscape na resolução 800x600
Joraga 2000 em viagem