GENTE DE MANTEIGAS


contacto © joraga ®.

Afinal quem é
PAULO LUÍS MARTINS?

Gente de Manteigas in G+, de José Paiva Tacanho

FIGURAS HISTÓRICAS
de MANTEIGAS in «ANTOLOGIA»,
de José Lucas Baptista Duarte
1985
PRESIDENTES de CÂMARA
de 1910 a 2017 e AQUI
AUTORES e LIVROS e AQUI
de Gente de Manteigas
in TOPONIMIA, e AQUI
de José David Lucas Batista
in CONTOS SERRANOS,
de Dr. João Isabel e AQUI
in POIOS e PROSA
de António Leitão (PDF?)
in AQUELE PROFUNDO VALE, de José Cleto Estrela e AQUI


afinal QUEM É PAULO LUÍS MARTINS

 

Para tentar evitar que aconteçam 'vergonhas' destas... e apoiado no trabalho de José Paiva Tacanho in google mais (de 2015 03 13) e ainda no exemplo de outras Terras como uma exemplar Página de Loriga... decidi criar esta PÁGINA «GENTE de MANTEIGAS» (que pode ver: tentativa 01 e tentativa 02) esplerando que muitos «ANÓNIMOS» deixem de o ser pelo contributo de muitos Canterrâneos e Amigos...

 

Vamos TENTAR SABER quem FOI a pessoa DESCONHECIDA (?)
que foi escolhida para dar o NOME a uma das FONTES / CASCATA mais CONHECIDAS da SERRA DA ESTRELA...
A FONTE DE PAULO LUÍS MARTINS
(
a referência mais antiga...é de 31 de Maio de 1758...)

CMM
1951
FONTE PAULO LUÍS MARTINS

«Ano de construção do chafariz na «Fonte de Paulo Luís Martins», acrescido de adequada cascata e de um mirante, em 1951, no segundo ano da presidência de José Rabaça Fraga (mandato de 195001_195712).»
Nataniel E. Rosa

Nota de Nataniel E. Rosa
«Relativamente a Paulo Luís Martins, a referência mais antiga que tenho é de 31 de Maio de 1758. Na resposta ao interrogatório efectuado às paróquias do Reino pelo Marquês de Pombal, os vigários das duas paróquias de São Pedro e Santa Maria respondendo, em conjunto, à pergunta sobre o que diz respeito ao rio que passa na terra, foi o seguinte:..."Chama-se este Zêzere, nasce de uma fonte, que vem do Malhão da Estrela que fica junto aos cântaros, porém esta ainda não lhe dá nome e desta corre para outra, que chamam Fonte de Paulo Martins, é esta muito copiosa na sua água, que logo no nascente podem moer duas rodas de moinho, e aqui começa a tomar o Rio o nome de Zêzere, a quantidade desta água é muito frigidíssima, e em todo o tempo lança água com abundância acima dita, e desta vem correndo até que nele se mete uma ribeira que chamam da Candieira, onde toma maior brio que fica distante desta fonte três ou quatro tiros de espingarda, e assim se vem ajuntando com várias fontes e regatos que correm da mesma serra de uma e outra parte, até que chega a ser caudaloso; porque como estas serras são muito eminentes todas as águas para ele correm"... » Por hoje é tudo.Um abraço, Nataniel E. Rosa (Mensagem de 2015 11 14)

«De acordo com o solicitado informo que os nomes dos párocos (1758) são os seguintes: Vigário de São Pedro MANUEL BARBAS DE MORAIS. Vigário de Santa Maria MANUEL DE CAMPOS DA CUNHA CASTELBRANCO.

Nataniel E. Rosa (Mensagem de 2015 11 14)

Mensagem de José da Cruz Paixão (Zé do Rio) de 2012 10 10

Esta comunicação, tem a finalidade de o informar que tenho estado a desenvolver esforços para lhe fornecer os elementos que pretende sobre a Fonte de Paulo Luis Martins. Já contactei várias fontes e, constacta-se que em Manteigas, tem havido pouco cuidado em preservar determinados valores. Fala-se de tudo, mas sem consistência. Fica sempre a dúvida. E neste caso concreto, averiguei que no interrogatório feito pela paróquia de S.Pedro em 1758, já referiam a existência da Fonte de Paulo Luis Martins, sem todavia, referir os porquês do nome. No entanto, como o fontanário foi construido em 1951, irei consultar as actas municipais daquele ano. Se naquela data houvesse as exigências actuais, óbviamente que em alguma das reuniões do Executivo Municipal, haveria a aprovação do projecto,e consequentemente, referir-se-iam à origem do nome. Depois, direi algo. Se nas actas estiver omitida a origem,em última instância, mas sempre a falar-se no campo das possibilidades, existe o Registo da Paróquia de S.Pedro no Arquivo Distrital da Guarda, que data de 1614! Estas coisas em Manteigas, tem muito que se lhes diga.O dr. José Lucas Batista, dedicou muito do seu tempo a investigar...mas também pouco deixou de plausível!

Vamos tentando.

Cumprimentos,

José Paixão,ou,Zé do Rio, como preferir

Mensagem de José Rabaça Gaspar para José da Cruz Paixão:

Não pensava estar a dar tanto trabalho e tanta investigação. O caso da fonte de Paulo Luís Martins, pensei que era um caso tão simples como a da Fonte da JONJA, mais recente e mais acima... Parece que ainda toda a gente sabe a estória... ou talvez já não...

Já agora, como também, já conversei com o meu irmão Miguel, pemsei que seria um nome toda a gente conhecia e eu não sabia por já ter saído de Manteigas há muito tempo e não poder ir aí tanto como gostaria. Entretanto, tenho uma vaga ideia de ter ouvido ao meu Pai Elísio, que era um entusiasta caçador e conhecia a Serra, a pé... creio, é uma vaga ideia muito esfumada, que o Senhor Paulo Luís Martins seria um técnico? engenheiro? da Câmara, ou de algum organismo da Guarda ou da Covilhã ??? que na sequência de algum estudo ou trabalhos nas Penhas da Saúde... teria achado importante rentabilizar aquela fonte tão importante para o caudal do Zêzere e corria directamente sem qualquer aproveitamento!

Foi só uma simples curiosidade, mas como o Zé diz, «afinal temos uma memória curta... em Manteigas, tem havido pouco cuidado em preservar determinados valores!»

José Rabaça Gaspar

Mensagem de 2012 10 20

Boa tarde Dr. José Rabaça

No seguimento das averiguações sobre a Fonte de Paulo Luis Martins, sou a informar que, após consulta às actas do executivo Municipal do ano de 1951, ano da construção do fontanário, não li nada sobre aquela construção.

Normalmente, uma obra, deve ser feita com aprovação do projecto. Porém, e pelo que se observa, esse procedimento é para os cidadãos. Aquela obra mandada construir pela Câmara ou Serviços Florestais?, foi feita sem autorização oficial, Municipal. Daí, não haver qualquer registo.

Haverá em última instância, o arquivo Distrital, onde repousam os registos das paróquias de 1614. Como deve calcular, esta investigação levará meses a quem se deslocar diariamente à Guarda, o que não é fácil.

Como não há registos, tudo o que se possa dizer, não passa de mereas suposições. Terá sido mandado construir pela Câmara? Serviços Florestais? Ou será o nome do proprietário dos terrenos? Fica a dúvida.

Foi tudo o que indaguei. Gostaria de lhe ser mais concludente!

Cumprimentos,

José da Cruz Paixão


J. A. Marcos Serra

Com o seu livro «LINHAS entre NÓS» e os relatos magistrais da movimentada "guerra das águas" em Manteigas, no primeiro quartel do século XX, o Zé António regista-nos, para a nossa história e para as nossas 'estórias' figuras marcantes da Nossa Terra...
ABRAÇO.
JRG

Nota de 2017 09 05:
José Marcos Serra - 5 de Setembro, 2017 - 10:01 AM

Porque lhe escrevo hoje?
Primo em quarto grau, a viver no Brasil, escreveu-me a perguntar se eu sabia alguma coisa de Paulo Luís Martins.
Para o satisfazer, dei velas à navegação e vim parar ao seu blog, para me deparar com a sua demanda, também sem resultados de vulto.
Ora, entre a minha idade de miúdo e rapaz (diria, há uns cinquenta a sessenta anos), terei ouvido, julgo que de meu pai, que

Paulo Luís Martins terá sido um cientista que pretendeu demonstrar a teoria seguinte:
Algumas nascentes em Portugal, e principalmente a que está em causa, estariam ligadas a nascentes nos Pirenéus franceses, através de um sistema de vasos comunicantes que atravessariam toda a península ibérica.

Para demonstrar essa hipótese, teria injetado, profundamente, quantidades suficientes de anilinas nessas origens pirenaicas, tendo vindo a colher vestígios na nascente da fonte que tomou o seu nome.
História? Lenda?
Que o ouvi, ouvi; julgo que a meu pai, embora não o possa jurar. (Não tem documentação de suporte)
(Nota: Meu pai era leitor-cobrador da água, na CMM, na altura em que foi construído o fontanário; terá ouvido mencionar o assunto lá?)
Deixo o apontamento.

Um abraço,
José Marcos Serra

 

OUTRAS INFORMAÇÕES

Fonte Paulo Luís Martins - 1951 ???
http://museu.cm-manteigas.pt/2014/11/fonte-paulo-luis-martins-2/

Localização: Em plena Estrada Nacional nº 338, do lado direito, no sentido Cântaros- Manteigas para quem vem a descer a serra, situa-se a fonte-cascata Paulo Luís Martins. Ver a localização marcada no mapa que poderá fornecer informações mais exatas.
Tipologia: Fontes, Património Histórico-Artístico.
Cronologia: Datada de 1951.
Descrição: Trata-se de uma grande cascata de água corrente, gelada e cristalina que termina numa fonte de duas bicas, em granito, com uma pia retangular. As águas desta fonte afluem para o rio Zêzere. Tem inscrita a sigla da Câmara Municipal de Manteigas com a datação de 1951.

Ver tb
http://museu.cm-manteigas.pt/2014/07/fonte-paulo-luis-martins/
Nascente natural a 1300m de altitude com um caudal considerável, ocorre na interseção de falhas locais com a grande falha da Vilariça que se estende ao longo do Vale do Zêzere.
Nasce acima da nacional 338, na margem direita do Zêzere, apresenta uma temperatura de cerca 6ºC sendo conhecida localmente como frigidíssima. Possui uma água alcalina sódica de elevado índice de sílica muito profundamente hipossalina, possui propriedades diuréticas. Devido à superior qualidade desta água foi canalizada para o seu engarrafamento na unidade de produção GLACIAR. Esta água engarrafada é uma das melhores do país e do mundo, reconhecida com vários prémios internacionais.»

http://www.cise.pt/pt/index.php/serra-da-estrela/o-que-visitar/manteigas?start=4
Fonte Paulo Luís Martins
A fonte Paulo Luís Martins, de caudal permanente, situa-se na confluência de falhas locais com a grande falha da Vilariça, desde Sertã até Puebla de Sanabria, em Espanha. A água aflora em substrato granítico, formando uma cascata cuja água é conhecida por apresentar uma temperatura constante de 6ºC.

--------------------------------

Mais um contributo in "ManteigasemImagens" de Rui de Carvalho

A FONTE PAULO LUIS MARTINS NO OUTONO 2011
Numa das vertentes do Vale Glaciar do Zêzere, a da margem direita, um nascente caudaloso a que foi dado o nome Fonte Paulo Luis Martins, brota a 6ºC ao longo de todo o ano!
É deste nascente a água GLACIAR que se encontra no pódio das melhores águas mundiais, bem como a água da rede pública de Manteigas.
A elevada altitude e próximo do cume da montanha, o caudal impressiona pela abundância da água que na época húmida do ano é, naturalmente, maior.
Neste Outono 2011 a Fonte estava assim:

joraga@netcabo.pt e joraga200@gmail.com ou zeraga@gmail.com

Compatível com IE/Netscape na resolução 800x600
aminhaTEIAnaREDE www.joraga.nethttp://museuvirtual.activa-manteigas.com/index.php/places/patrimonio-arqueologico/casa-das-obras/