Gil Vicente 500

Vida GV de 1460/70 a 1502 a 1536/38
500 anos de GV - de 1960 - 2002 - 2038

78 anos a celebrar o 5ºCGV como reNASCIMENTO de um TEATRO a partir da RAIZ
por José Gil Vicente da Beira e outros deNÓMIOS...

Obras de Gil Vicente:
PANORÂMICA

as 47 uma a uma

A CONDESSA DE ARAGÃO

Recolha de 2 versões e uma adaptação do Rimance - Jogo - Drama - Dança

CONDESSINHA D'ARAGÃO

e duas versões da música utilizada para adaptar a que mais convier...

 

 

CONDESSA DE ARAGÃO

in Subsídio para o CANCIONEIRO POPULAR DO BAIXO ALENTEJO - vol.II, p.154, 1955, 2ªed. 1980
com comentário, recolha e notas de Manuel Joaquim Delgado

CONDESSA DE ARAGÃO

in O POVO PORTUGUÊS
nos seus Costumes, Crenças e Tradições
volume I, pp. 253-255 (v. tb. 255-261) de 1885 / 1995 - Teófilo Braga

- Ó condessa, ó condessinha,
Ó condessa de Aragão,
Dá-me uma das tuas filhas,
Só de lindas que elas são!

- Não te dou as minhas filhas,
Nem por ouro, nem por prata,
Nem por fios de algodão,
Só de lindas que elas são!

- Volta atrás, ó cavalheiro,
Se queres ser homem de bem,
Leva uma das minhas filhas,
Peço que me a trates bem.

- Muito bem a tratarei
Sentado numa almofada,
Tirando fios de seda
Para dar à minha amada.

- Não quero esta, que é uma rosa,
Nem esta, que é um botão
Quero esta só para mim,
Que me adora o coração.

Beja

Dizem eles:


- Aqui as vimos pedir
Pera com elas casar.

Responde ella:
- Nem por ouro, nem por prata,
Nem por sangue de dragão,
Eu não dou as minhas filhas
Do mosteiro ond'estão.

Respondem elles:
- Tão alegres que vinhemos!
Tão tristes que voltaremos!
Que las filhas da Condessa
Por mulheres não levaremos.

Pois sabei que todos temos
Senhorio sem egual;
Que todos semos fidalgos,
Que nem de sangue real.

E vão-se retirando, mas detem-nos a
Condessa:
- Volvei a mim cavalleiros
Por serdes homens de paz;
Ide cada um á grade,
Escolhei la que vos apraz.

Eles voltam, aceitam, e cada qual, por sua ordem observando cada uma das filhas da Condedssa de per si, vai tomando para noiva a que lhe agrada.
Diz o:

Primeiro Cavalleiro:
Esta não, nem esta quero;
Esta coma pão de cento;
Esta, vinho de cabaça;
Esta, carne do assento;
Esta, carne do assem.
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem.

Diz o segundo:
Esta não, nem esta quero;
Esta coma pão de cento;
Esta, vinho de cabaça;
Esta, carne do assento;
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem.

Diz o terceiro:
Esta não, nem esta quero;
Esta coma pão de cento;
Esta, vinho de cabaça;
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem.

Diz o quarto:
Esta não, nem esta quero;
Esta coma pão de cento;
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem.

Diz o quinto:
Esta não, nem esta quero;
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem.

Diz o sexto:
Esta não, nem esta quero;
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem.

Diz o sétimo:
Esta é do meu contento;
Andae comigo, meu bem

"À proporção que as noivas são escolhidas, vae cada par, de mãos dadas, enfileirando com o antecedente; por fim, dansando e cantando, fazem todos roda à Condessa, e acaba o jogo. Para recomeçar é tirada nova sorte a vêr qual das outras raparigas será Condessa, ou à ocasião da roda e dansa final, é vendada a Condessa do jogo findo e a rapariga a quem ella lançar mão fica sendo a Condessa do jogo seguinte; e ainda este processo pode ser modificado: vendada a Condessa escondem-se as filhas; o primeiro cavalleiro dá um apupo e desvenda a Condessa; esta procura s foragidas e a primeira que acha, fica sendo Condessa." "...o jogo da Condessa é verdadeiramente um Drama, digno de ser estudado como um elemento orgânico do teatro português. Transcrevemo-lo segundo a versão colhida na ilha da Madeira, pelo dr. Azevedo:
"Sete raparigas, de mãos dadas, são filhas da Condessa, já entradas no mosteiro para professar. Junto delas está uma rapariga, a quem por sorte coube ser a Condessa. Sete rapazes, também de mãos dadas, se dirigem para a Condessa; são cavalleiros que lhe vêm pedir as filhas em casamento...

 

Adaptação feita para festas na Escola, Beja, 1995, por JORAGA

CONDESSINHA D'ARAGÃO


O LOCAL - pode ser ao ar livre, num espaço onde possa haver uma razoável pista de dança, como há na maior parte das aldeias, e um local mais elevado, onde os cavaleiros vão buscar as damas...
Em caso de mau tempo, um pavilhão ou um recinto coberto, serve perfeitamente...

O MATERIAL - Basta uma cadeira estilo poltrona- para a/s Condessa/s e sete cadeiras ou bancos para as Condessinhas. As do 1º grupo que iniciam a dança devem levar trajos antigos e a condizer, tendo as condessinhas, por adorno, uma condessinha ou cesta de flores e lenços de várias cores, menos o branco que será para a Condessa.
Este lenço será levado pelo primeiro Cavaleiro e servirá para designar a Condessa em cada um dos jogos...
Os cavaleiros devem trajar de acordo com os usos antigos da região e levar um chapéu...

INTERVENIENTES:
1º- Um conjunto bem ensaiado que tocará e cantará ao mesmo tempo ou em vez dos cavaleiros e/ou Condessa que podem não saber, e só farão a mímica...
2º- Um grupo de 8 raparigas, das quais, uma será a Condessa e as outras 7, as Condessinhas.
3º- Um grupo de 7 rapazes que serão os primeiros sete cavaleiros.
4º- Toda a assistência, a quem, tanto as Condessinhas como a Condessa irão entregar os véus ou as cestas; e os Cavaleiros, os seus chapéus..., desafiando-os assim para os substituírem na dança... e entrarem no jogo, dança, representação, festa,...

JOGO - DRAMA - DANÇA:


1º Entram as 8 Damas fingindo-se mascaradas, cobrindo a cara que afinal vai descoberta, com as capas ou mantilhas, ou ainda com um leque que pode ser uma espécie de máscara... e vão dançando em passinhos curtos e variados... ao som da música... Só música entretanto... Cruzando-se e volteando, parece não saberem o que fazer... A certa altura fazem uma RODA e continuam girando...

2º- É nesta altura que entram, a correr, 7 Cavaleiros, ao ritmo da música, girando ao contrário das damas, com os lenços que vão entregar às damas.
O 1º leva dois lenços. Um é o Branco. Este será o 1º a ser atirado para escolher a Condessa. Muitas vezes, claro, esta já está escolhida...

3º- Escolhida a Condessa, esta sai da roda e vai ocupar o trono que lhe está destinado. Ali fica triste e chorosa, sem saber o que fazer das suas sete pobres Condessinhas, as suas estremadas filhas, pois não tem dote adequado para as casar como convém...
Entretanto a roda prossegue até os Cavaleiros desastrados acertarem e entregarem os véus às tímidas e tontas Condessinhas.
À medida que o recebem, estas vão-se sentando nos bancos ou cadeiras que lhes estão destinadas, onde ficam, comicamente, tristes e chorosas pelo destino que as espera...

4º- Logo que entregam os lenços, os Cavaleiros desaparecem, quase tão inesperadamente como apareceram, pois vão ter de entrar, dentro de instantes...

5º- A condessa, no eu trono, continua a sua mímica, mostrando a sua aflição por, viúva e sem grande fortuna, não saber o que fazer das suas prendadas filhas, quase todas da mesma idade, em escala,... O Convento será a solução?
A música continua, e as Condessinhas não podem esconder a sua tristeza, pois, sonhando com as delícias de um feliz noivado que as levariam ao altar... e ... "depois seriam felizes para sempre", lêem no drama da mãe, que viúva, tanto padeceu para as criar, que estão destinadas ao convento...

6º- Entram então, muito solenes e dignos, sete gabosos Cavaleiros, dançando e fazendo grandes vénias com o seu chapeirão, à Condessa, às Condessinhas, sem esquecer o estimado público, sobretudo se teve de pagar o seu bilhetinho para entrar na festa.

Cantam os Cavaleiros ou o CORO por eles:

VIMOS CÁ, MANDOU EL'REI,
À PROCURA DA CONDESSA
P'RA PEDIR UMA DAS FILHAS
QUE HÁ-DE SER COMO PRINCESA...

Canta a Condessa, fingindo afectação e com a dignidade ferida.

NÃO VOS DOU AS MINHAS FILHAS
NEM POR OURO, NEM POR PRATA,
NEM POR SANGUE DE DRAGÃO,
TÃO PRENDADAS QUE ELAS SÃO!!!


Respondem os Cavaleiros, surpreendidos e feridos no seu orgulho, mas sem perderem a sobranceria:

TÃO CONTENTES QUE VIEMOS
E TÃO TRISTES VOLTAREMOS,
POIS AS FILHAS DA CONDESSA
POR NOIVAS NÃO LEVAREMOS!

POIS SABEI QUE TODOS TEMOS
PODERIO SEM IGUAL...
TODOS NÓS SOMOS FIDALGOS
QUE NEM DE SANGUE REAL!!!


Vão-se retirando os Cavaleiros com saudações e salamaleques tanto à Condessa como às Condessinhas... que tapam o rosto e disfarçam a tristeza para não se escangalhrem a rir à gargalhada... E num repente, vendo que lhe foge a sorte grande de se vir livre logo das sete duma vez, reconsidera a Condessa cantando:

VOLTAI ATRÁS CAVALEIROS,
SE QUEREIS SER HOMENS DE PAZ,
IDE ALÉM, ÀQUELE OUTEIRO,
ESCOLHEI QUEM VOS APRAZ...


Fingindo-se muito surpreendidos, voltam os Cavaleiros que podem fazer-se caros e fazer variadas momices e mímicas e, uma vez decididos, vão cantando, cada um por sua vez:

Canto o 1º - para escolher entre as 7
apontando uma das condessinhas de cada vez, até acertar com a última... Pode seguir uma ordem, mas será mais espetacular, se andar salteando até escolher a que lhe covém...


1 ESTA NÃO, NÃO QUERO ESTA,
2-NEM ESTA, QUE É LINDA FLOR!...
3-NEM ESTA SERVE P'RA MIM
HÁ MUITAS FLORES NO JARDIM...

4-NÃO QUERO ESTA POR SER ROSA!
5-NEM ESTA POR SER UM CRAVO!
6-NEM ESTA POR SER JASMIM!...
7-QUERO ESTA CÁ P'RA MIM.

E pegando na mão da eleita, sai para a pista, abaixo, ao lado, no meio do público, abrindo assim o baile...

Canta então o 2º para escolher entre as 6

1-ESTA NÃO, NÃO QUERO ESTA,
2-NEM ESTA, QUE É LINDA FLOR!...
HÁ MUITAS FLORES NO JARDIM...
HÁ MUITAS FLORES NO JARDIM...

3-NÃO QUERO ESTA POR SER ROSA!
4-NEM ESTA POR SER UM CRAVO!
5-NEM ESTA POR SER JASMIM!...
6-QUERO ESTA CÁ P'RA MIM.

O 3º para escolher entre as 5

1-ESTA NÃO, NÃO QUERO ESTA,
MESMO SENDO LINDA FLOR!...
HÁ MUITAS FLORES NO JARDIM...
HÁ MUITAS FLORES NO JARDIM...

2-NÃO QUERO ESTA POR SER ROSA!
3-NEM ESTA POR SER UM CRAVO!
4-NEM ESTA POR SER JASMIM!...
5-QUERO ESTA CÁ P'RA MIM.

E o 4º para escolher entre as 4

1-NÃO QUERO ESTA POR SER ROSA!
2-NEM ESTA POR SER UM CRAVO!
3-NEM ESTA POR SER JASMIM!...
4-QUERO ESTA CÁ P'RA MIM.

E o 5º que já só tem 3 para escolher

1-NÃO QUERO ESTA POR SER ROSA!
2-NEM ESTA POR SER UM CRAVO!
HÁ POUCAS FLORES NO JARDIM!...
3-QUERO ESTA CÁ P'RA MIM.

E o 6º que já só tem 2 para escolher:

1-NÃO QUERO ESTA POR SER ROSA!
HÁ POUCAS FLORES NO JARDIM!...
HÁ POUCAS FLORES NO JARDIM!...
2-QUERO ESTA CÁ P'RA MIM.

Então o 7º. como já só tem 1:

JÁ NÃO HÁ FLORES NO JARDIM!
HÁ SÓ ESTA LINDA FLOR!
1- QUERO ESTA CÁ PRA MIM
QUE VAI SER O MEU AMOR!...


A certa altura, pára a música, os pares correm para a assistência e fingindo um jogo de cabra-cega escolhem, na assistência, aqueles e aquelas que os vão substituir e o jogo recomeça... até rodar pela sala inteira, contando com aqueles que se querem esquivar e os que querem repetir... pode "armar-se" uma FESTA sem fim...

MÚSICAS

1ª Música: Adatptada por Alda Gois, a partir da audição de colegas que conheciam uma versão usada nas Terras, como Cuba, Baleizão...

2ª Música: in "CANÇÕES PARA A EDUCAÇÃO MUSICAL", de Raquel Marques Simões, Editores Valentim de Carvalho, 6ª Ed., s/d


Jograis

VOLTARA Gil Vicente

E-Mail: joraga@netcabo.pt e joraga@netc.pt
pelo telefone 212 553 223 ou pelo Telmv. 917 632 524
e pelo CORREIO: Rua Almada Negreiros, 48 - 2855-405 CORROIOS.
a minhateianarede é em http://www.joraga.net onde poderá encontrar o caminho para os TEMAS que não couberam aqui.

Compatível com IE/Netscape na resolução 800x600
Joraga 2000 em viagem