O CANTO DO CANTE
GRUPOS CORAIS ALENTEJANOS

por um Cigano Castanho vindo da Serra da Estrela
JORAGA o acrónimo de JOsé RAbaça GAspar

in joraga.net - aminhaTEIAinterminávelnaREDEilimitada

contacto © joraga ®

0.
Índice dos GRUPOS CORAIS ALENTEJANOS
1.
OBRAS & AUTORES
o CANTE do AQUÉM TEJO
2.
o CANTO do CANTE
os Grupos Corais
VOZes do Ventre da Terra
GALERIA de GRUPOS
algumas MÚSICAS e...
3.
Actualizações & Ilustrações
GALERIA de Extras
Grupos e Símbolos
4.
Textos:
ABERTO a
Comentários e NOTAS
O CANTE
a VOZ DO VENTRE DA TERRA
MODAS com PAUTAS MUSICAIS

 

LISTA 01

63 PAUTAS MUSICAIS
in TRADIÇÃO de SERPA, publicada entre Janeiro de 1899 e Junho de 1904

MODAS ALENTEJANAS – PAUTAS MUSICAIS

Nº Pauta

Título da MODA

Obra Tradição Serpa, JAN 1899 – JUL 1904

Totais

         1             

REIS

Tradição Anno I – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1899 – série I, p. 8 (letra) e 9 (pauta).

1                       

         2             

Manuelsinho você chora

Tradição Anno I – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1899 – série I, p. 24 (letra) e 25 (pauta).

2                       

         3             

Vai Colher a Silva

Tradição Anno I – Nº 3 – Serpa, Março de 1899 – série I, p. 41 (pauta) e 42 (letra).

3                       

         4             

Os OLHOS da Marianita

Tradição Anno I – Nº 4 – Serpa, Abril de 1899 – série I, p. 54 (letra) e 57 (pauta).

4                       

         5             

Verde Caracol

Tradição Anno I – Nº 5 – Serpa, Maio de 1899 – série I, p. 73 (pauta) e 74 (letra).

5                       

         6             

O S. JOÃO EM SERPA

Tradição Anno I – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1899 – série I, p. 89 (pauta no nº 6) e 139 a 141 (letra).

6                       

         7             

Dizes qu'eu sou lavadeira

Tradição Anno I – Nº 7 – Serpa, Julho de 1899 – série I, p. 104 (letra) e 105 (pauta).

7                       

         8             

Marianita foi á fonte

Tradição Anno I – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1899 – série I, p. 120 (letra) e 121 (pauta).

8                       

         9             

Hei-de m'ir para o Algarve

Tradição Anno I – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1899 – série I, p. 136 (letra) e 137 (pauta).

9                       

     10             

ÁS JANEIRAS

Tradição Anno I – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1899 – série I, p. 8 (letra) e Tradição Anno I – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1899 – série I, 153 (pauta).

10                       

     11             

Tinhas-me tanta amisade

Tradição Anno I – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1899 – série I, 169 (pauta) e 173 (letra).

11                       

     12             

AO DEUS-MENINO

Tradição Anno I – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1899 – série I, p. 7 (letra) e + Tradição Anno I – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1899 – série I, 185 (pauta).

12                       

     13             

DE NOITE BATEM Á PORTA

Tradição Anno II – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1900 – volumeII, p. 11 (pauta) e p. 13 (letra).

13                       

     14             

CARMESITA, CARMESITA

Tradição Anno II – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1900 – volume II, p. 25 (pauta) e p. 28 (letra).

14                       

     15             

MARIANITA VEM COMIGO

Tradição Anno II – Nº 3 – Serpa, Março de 1900 – volume II, p. 41 (pauta) e p. 45 (letra).

15                       

     16             

OS PINHÕES

Tradição Anno II – Nº 4 – Serpa, Abril de 1900 – volume II, p. 59 (pauta) e p. 60 (letra).

16                       

     17             

O TOUREIRO NOVO

Tradição Anno II – Nº 5 – Serpa, Maio de 1900 – volume II, p. 73 (pauta) e p. 78 (letra).

17                       

     18             

A MACELLA

Tradição Anno II – Nº 6 – Serpa, Junho de 1900 – volume II, p. 89 (pauta) e p. 93 (letra).

18                       

     19             

ADEUS, MARIANNITA, ADEUS!

Tradição Anno II – Nº 7 – Serpa, Julho de 1900 – volume II, p. 104 (letra) e p. 105 (pauta).

19                       

     20             

AS COBRINHAS D'AGUA

Tradição Anno II – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1900 – volume II, p. 120 (letra) e p. 121 (pauta).

20                       

     21             

AS LETTRAS

Tradição Anno II – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1900 – volume II, p. 137 (pauta) e p. 138 (letra).

21                       

     22             

O FANDANGO

Tradição Anno II – Nº 10 – Serpa, Setembro de 1900 – volume II, p. 153 (pauta).

22                       

     23             

PEDITÓRIO

Tradição Anno II – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1900 – volume II, p. 169 (pauta).

23                       

     24             

A SANTOS

Tradição Anno II – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1900 – volume II, p. 183 (pauta).

24                       

     25             

TRISTE VIUVINHA

Tradição Anno III – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1901 – volume III, p. 7 (pauta) e p. 10 (letra).

25                       

     26             

ANGELICA, DÁ-ME A CAPINHA!

Tradição Anno III – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1901 – volume III, p. 23 (pauta) e p. 24 (letra).

26                       

     27             

MINHA MANASINHA

Tradição Anno III – Nº 3 – Serpa, Março de 1901 – volume III, p. 38 (letra) e p. 39 (pauta).

27                       

     28             

EU FUJO!

Tradição Anno III – Nº 4 – Serpa, Abril de 1901 – volume III, p. 54 (letra) e p. 55 (pauta).

28                       

     29             

SILVA, QUE ESTÁS ENLEADA

Tradição Anno III – Nº 5 – Serpa, Maio de 1901 – volume III, p. 71 (pauta) e p. 72 (letra).

29                       

     30             

O' meu panninho, panninbo…

Tradição Anno III – Nº 6 – Serpa, Junho de 1901 – volume III, p. 85 e 86 (letra) e p. 87 (pauta).

30                       

     31             

O CERRO DA NEVE

Tradição Anno III – Nº 7 – Serpa, Julho de 1901 – volume III, p. 104 (pauta) e p. 105 e 106 (letra).

31                       

     32             

Vamos lá seguindo

Tradição Anno III – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1901 – volume III, p. 118 e 120 (letra) e p. 119 (pauta).

32                       

     33             

As saias á camponeza

Tradição Anno III – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1901 – volume III, p. 132 (letra) e p. 135 (pauta).

33                       

     34             

Minha HESPANHOLA

Tradição Anno III – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1901 – volume III, p. 148 (letra) e p. 151 (pauta).

34                       

     35             

Vae fazer a cama à prima

Tradição Anno III – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1901 – volume III, p. 166 (letra) e p. 167 (pauta).

35                       

     36             

Ai! que chita!

Tradição Anno III – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1901 – volume III, p. 178 (letra) e p. 181 (pauta).

36                       

     37             

QUERO BALHAR à alentejana

Tradição Anno IV – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1902 – volume IV, p. 5 (pauta) e p. 6 (letra).

37                       

     38             

Ru'ábaixo, ru'ácima

Tradição Anno IV – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1902 – volume IV, p. 21 (pauta) e p. 24 (letra).

38                       

     39             

Eu fui um dia a passeio

Tradição Anno IV – Nº 3 – Serpa, Março de 1902 – volume IV, p. 37 (pauta) e p. 38 (letra).

39                       

     40             

Valha-me a senhora Angélica

Tradição Anno IV – Nº 4 – Serpa, Abril de 1902 – volume IV, p. 53 (pauta) e p. 55 (letra).

40                       

     41             

Um raminho de alecrim

Tradição Anno IV – Nº 5 – Serpa, Maio de 1902 – volume IV, p. 69 (pauta) e p. 70 (letra).

41                       

     42             

Lá vae o balão ao ar

Tradição Anno IV – Nº 6 – Serpa, Junho de 1902 – volume IV, . 84 (letra) e p. 85 (pauta).

42                       

     43             

Não te assomes

Tradição Anno IV – Nº 7 – Serpa, Julho de 1902 – volume IV, p. 100 (letra) e p. 101 (pauta).

43                       

     44             

EU OUVI

Tradição Anno IV – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1902 – volume IV, p. 114 (letra) e p. 117 (pauta).

44                       

     45             

MUITO CHOREI EU

Tradição Anno IV – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1902 – volume IV, p. 132 (letra) e p. 133 (pauta).

45                       

     46             

O LOUREIRO

Tradição Anno IV – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1902 – volume IV, p. 146 (letra) e p. 149 (pauta).

46                       

     47             

AMANHÃ ANDA A RODA

Tradição Anno IV – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1902 – volume IV, p. 165 (pauta) e p. 170 (letra).

47                       

     48             

Minha saia

Tradição Anno IV – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1902 – volume IV, p. 181 (pauta) e p. 184 (letra).

48                       

     49             

NA BOTICA NOVA

Tradição Anno V – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1903 – volume V, p. 4 (letra) e p. 5 (pauta).

49                       

     50             

O’ GOUVEIA

Tradição Anno V – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1903 – volume V, p. 21 (pauta) e p. 27 (letra).

50                       

     51             

SENHORA QUINTANEIRA

Tradição Anno V – Nº 3 – Serpa, Março de 1903 – volume V, p. 37 (pauta) e p. 39 (letra).

51                       

     52             

MARIA RITA

Tradição Anno V – Nº 4 – Serpa, ABRIL de 1903 – volume V, p. 53 (pauta) e p. 55 (letra).

52                       

     53             

TANTAS LIBRAS

Tradição Anno V – Nº 5 – Serpa, MAIO de 1903 – volume V, p. 68 (letra) e p. 69 (pauta).

53                       

     54             

ATIRA CAÇADOR

Tradição Anno V – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1903 – volume V, p. 132 (letra) e p. 133 (pauta).

54

     55             

Eu já vi uma andorinha

Tradição Anno V – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1903 – volume V, p. 149 (pauta) e p. 152 (letra).

55                       

     56             

VOCÊ DIZ OUE ME NÃO OUER

Tradição Anno V – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1903 – volume V, p. 165 (pauta) e p. 168 (letra).

56                       

     57             

ALIPUM

Tradição Anno V – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1903 – volume V, p. 181 (pauta sem letra).

57                       

     58             

Já lá vem a Mariannita

Tradição Anno VI – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1904 – volume VI, p. 2 (letra) e p 5 (pauta).

58                       

     59             

O' minha. pombinha branca.

Tradição Anno VI – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1904 – volume VI, p. 20 (letra) e p 21 (pauta).

59                       

     60             

A mim não me enganas tu

Tradição Anno VI – Nº 3 – Serpa, Fevereiro de 1904 – volume VI, p. 37 (pauta) e p 49 (letra).

60                       

     61             

Eu sou marujinho

Tradição Anno VI – Nº 4 – Serpa, Abril de 1904 – volume VI, p. 53 (pauta) e p 56 e 57 (letra).

61                       

     62             

Anda aqui uma menina

Tradição Anno VI – Nº 5 – Serpa, Maio de 1904 – volume VI, p. 68 (letra) e p 69 (pauta).

62                       

     63             

Esse teu vestido

Tradição Anno VI – Nº 6 – Serpa, Junho de 1904 – volume VI, p. 84 (letra) e p 85 (pauta).

63                       

 

E-Mail: joraga@netcabo.pt e joraga2000@gmail.com
pelo telefone 212553223 ou pelo Tlmv. 91 763 25 24
e pelo CORREIO: Rua Almada Negreiros, 48 - 2855-405 CORROIOS.
visite ainda a minha TEIA na REDE além de joroga.net - joraga/eAlentejo/alice/osrabaca/serradaesrela/gilvicente/cart2326/

Compatível com IE/Netscape na resolução 800x600
Joraga 2000 em viagem