INOCÊNCIO de BRITO

Poeta Popular de S. Matias, Beja, MESTRE em DÉCIMAS e QUADRAS

in joraga.net - aminhaTEIAinterminávelnaREDEilimitada

contacto © joraga ®

3.
QUADRAS
& curtas estórias

Uma INTRODUÇÃO a INOCÊNCIO de BRITO


por. Cremilde de Brito
bisneta do Poeta que foi Professora em S. Matias e residente em Beja.

...o segredo do POETA
possivelmente naqueles OLHOS sedutores de azul-marinho, inesquecíveis...



"Que mistério se encerrava naqueles olhos azuis para se gravarem indelevelmente na memória de uma criança de cinco anos?
Havia neles qualquer coisa de tão extraordinariamente invulgar que nunca mais se esqueciam.
Aos oitenta e cinco anos o seu olhar tinha a cor e o brilho dos olhos de um jovem, a pureza e a ternura duma criança, uma cor intensamente azul-marinho que eu nunca antes vira e jamais esquecerei.
Não era a saudade da sua Terra e dos seus familiares que lhe transmi-tia aquela ternura porque estava na casa duma filha rodeado pelos netos e não "num lugar solitário".
Talvez sentisse a nostalgia dos longos e frios serões de boémia, da "vida reinadia" com companheiros e amigos, dos imensos horizontes do Alen-tejo que lhe inspiraram as rimas.
Era o fulgor da paixão pela liberdade (que mostrou ao recusar o lugar de escrivão do juiz). Como poderia trocar pela pequenez dum escritório o rubro entardecer dos dias de Verão, ou o pôr do Sol de uma tarde de Outono, a terna canção dos passarinhos numa bela manhã de Primavera, a magnifi-cência dos "raios purpurinos dourando o cume da serra" ou "a luz divina as campinas prateando"?
A sua alma sensível que se indignou com o Regicídio e com a cruel-dade da guerra, com o "desejo de mandar", "a cegueira de conseguir", a "ambição de possuir" reflectia-se no seu rosto ainda "alegre e sedutor".
Pensaria certamente na sua companheira falecida, a esposa que não cantou enquanto ela viveu, mas que depois homenageou com um autêntico hino de exaltação ao seu lugar incomparável no seio da família. Chamou-lhe "anjo", "ser adorável", "formosa e bela", lembrando que, sem a sua presença, a vida é "insuportável", que a mulher é insubstituível no lar e que, como Mãe, quando ela falta, a "sorte não sorri", os filhos são "como cegos", porque onde ela não mantiver "amor, paz, santa união, é sempre uma escuridão, dê-lhe o sol onde lhe der". Nessa casa só há penas e amarguras e falta a luz da espe-rança.
Não andava "à procura da paz" porque ele era um homem de paz, sensível e bom e, na luz dos olhos que eu recordo estava a Paz de Deus, a pureza da sua Fé na "Virgem Bela".
É assim que eu vejo ainda aquele corpo franzino, aqueles olhos azuis e doces, aqueles olhos de Poeta."

Cremilde Brito
Beja, 14 de Junho de 1999

 

 

E-Mail: joraga@netcabo.pt e joraga@netc.pt
pelo Tel 212 553 223 ou pelos Tlm 917 632 524
e pelo CORREIO: Rua Almada Negreiros, 48 - 2855-405 CORROIOS.
visite ainda a minha TEIA na REDE além de joroga.net - joraga/alice/osrabaca/serradaesrela/gilvicente/cart2326/

Compatível com IE/Netscape na resolução 800x600
Joraga 2000 em viagem